domingo, 30 de março de 2008

Instante (Barroco)

.

A morte da virgem - Caravaggio

Instante

A dor acumulava-se infinita

ante o abismo sepulcral

aprofundado na imensidão da sombra,

engolindo tudo ao redor.

A suave luz desvendava o sofrer

do pálido e doente corpo

envolvido na fria maciez

de um grito vermelho,

ampliando o crescente desespero

diante do doloroso e lento

extinguir do mínimo fio de vida,

rompido em inaudível gemido.

Sucumbindo ao clamor do eterno

mergulhando na mais intensa luz.
.
Ninil 2008
.

Existenc...



Ninil 2008





domingo, 16 de março de 2008

Luz inerte?Não!Luz em movimento.


Luzi

Como nem sempre o tamanho
pode determinar uma real grandeza,
o imenso sol mostra-se opaco diante da luz
que o pequeno e flutuante corpo vai distribuindo ao redor,
à todos apoiando e conduzindo
nessa difícil e intranqüila marcha do existir.
Mostra que viver não é somente estar vivo,
mas buscar a mudança na vida do outro
desprovido do mínimo e exigido no máximo.
Rasga todo o seu ser e remendá-os aos dos outros,
na esperança que esses fragmentos de luz
ampliem uma pequena e quase apagada incandescência,
onde cada um ergue suas expectativas e sentido no viver.
aos poucos a ínfima luminosidade
soterrada num turbilhão de desigualdade e dor,
ergue-se numa inominável luz própria,
iluminando ao redor e reconhecendo-se
na identidade em que o ser se apresenta.

Alguns seres atravessam a linha de seu tempo
dispostos à acumular demasiadas coisas
onde o vazio se mostra numa sucessão
de contínuos substituir de coisas
e suas utilidades não ultrapassam
uma ilusória e afetada superioridade
que sob o túmulo não fazem diferença alguma.
Outros seres vivem sob um sofrer constante
justamente por acumular o sofrer de outros,
sabendo que seus sonhos se resumem
em simplesmente viver com o mínimo que lhes é negado.
Sonhar não é fechar os olhos e imaginar coisas.
Sonhar é abrir os olhos e transformar tais coisas
ao nível do que se deseja.
Luzir é irradiar claridade ou refletir a luz.
Luzi é a própria luz.

Ninil 2008











sábado, 15 de março de 2008

Iggy Pop


Iggy

A gota de sanidade suspensa
entre a desconstrução do silêncio
e a elevação do mais primal uivo,
descartando qualquer intenção
de ancoramento na razão.
Destruindo o insistente domínio da inércia,
implodindo-a num crescente frenesi
nascido nas deterioradas entranhas
elevando-se ao término de cada fio de cabelo.
A voz embebida no mais ácido desespero
à vociferar-se menos humano
enquanto animal respirante e carnívoro.
Os músculos carcomidos pelos dias
erguem-se num balé coreografado por trovões,
explodem-se ante ao turbilhão de notas
sublevadas na mais intensa selvageria musical.

Ninil 2008





segunda-feira, 10 de março de 2008

Jacques Tati




. Tatiando


Tateando entre a lágrima e o riso.
Talvez
à secura do riso,
faltasse aquela umidade
nascida no âmago.
Não conseguimos enganá-la
com alegrias estridentes
pré-fabricadas.
Tateando
no verdadeiro humor.
Um bufão de rua,
rua das crianças.
Guerreiros da alegria
bombardeando o tédio adulto
com o espontâneo viver.
Guerreiros munidos
com ampla tecnologia primata.
Desvendando a poesia
presente no quase tudo.
Invisível aos olhos
voltados para uma totalidade
onde soma-se tudo.
Imenso palhaço,
da altura das crianças.
Inclina-se ao abismo
sentindo o cheiro da queda,
suave queda
rumo aos braços da inocência,
onde o pagamento é o riso
e a reflexão.

Ninil 2007


sábado, 1 de março de 2008

A dança

.





A dança

O
luminoso e tranqüilo reflexo do luar
misturava-se ao brilho trepidante da fogueira.
Era a mesma lua que se via há tempos,
onde o distante se fez espaço.
Essa luz derramava-se sobre todos
repleta de uma angústia infinita.
O suor fluia abundante pelas faces,
onde as desmedidas marcas do sofrer
anteciparam o acúmulo de tempo
concretizados numa velhice precoce.
O cansaço impregnado nos músculos,
aos poucos transmutava-se
numa envolvente e ritmada coreografia.
O suor misturava se às lágrimas,
desabando frenéticas ao solo,
salpicando-o de uma dor inefável.
Dor que fertilizará esse chão
para nunca ser esquecida.
Os corpos continuam rompendo a noite
com seus movimentos libertários.
Os pés sangrando, seguem o ritmo da alma
bailarina abstrata coreografando
o contorser-se desse corpo ferido.
O sangue dos pés se misturava ás lágrimas e ao suor.
O solo agradecia úmido de vida
e sorvia essa mistura
como um verdadeiro enxágüe espiritual,
sentindo do princípio da fenda à mais profunda raiz
impregnar-se de toda dor e esperança de um povo
arrancado do seu chão também pela raiz.


Hoje,
uma luz artificial continua impedindo
que o cálido manto da lua,
paire sobre os ombros ainda feridos.
Não mais pelo açoite,
mas uma suposta superioridade de odor medieval.
O chão que foi salpicado de sangue e lágrimas
foi coberto por uma espessa camada
de frio concreto e hipocrisia.
no meio de toda essa fuligem que envolve os dias
onde as pessoas e seus medos se escondem,
surgem esses seres coloridos que descortinam
ritmos e sons esquecidos
que nos sacode e remetem à lugares
que sentimos fazer parte.
Esses pés descalços se entregam à música,
Enlouquecidos recusam-se a parar,
até que o frio concreto
sinta o peso da leveza da alma,
cedendo numa fenda infinita,
de onde se possa ver que todo o sangue e lágrimas
não se secaram no passado.
Permaneceram atemporais,
cultivando a identidade
na imprescindível raiz.

ninil 2007



.