sábado, 18 de fevereiro de 2012

Riso no rio do tempo

.


                                                                              Foto: Izabel Marinho


Riso no rio do tempo                                             




                                                        À Izabel Marinho

Tempo contrariando a quebra das esquinas
observando o ido na circularidade da construção
enroscando a afoita surpresa do engatinhar
ao contínuo tropeçar dos passos cansados.
Acúmulo desenfreado de experiências
desperdiçadas no montante de necessidades
postas em fabricadas e postiças substituições
invalidando a enumeração serena das rugas.
Tempo reanimando o aconchego do mergulho
inundando os poros de disponibilidade ao riso
deixando-se escoar ao borbulhar da fonte
vívida no riso brilhante em cada mínima gota
onde o corpo se reconhece em desmesura
desconhecendo a grandiosidade vivente
posta em cada movimento extasiado do ser.
Tempo esquivando da obrigatoriedade fugaz
de afogar-se em águas devidamente elaboradas
condizentes ao fluxo descontínuo do simulacro.
Brotando, fluindo, resistindo...
Tempo construindo-se em memória contínua
descobrindo-se vivo nos vincos da pele
desvendando o viver no riso molhado
flutuando no salto de olhos fechados à água.

                                                                         Foto: Ninil Gonçalves


.

4 comentários:

  1. Meus cumprimentos, meu caro Ninil, seu poema é fluida canção aos ouvidos. Excelente, a progressão do ritmo explorado por vc.

    ResponderExcluir
  2. O tempo torto,
    passa-se;
    Pelo jeito moço.
    Somos nós!


    Estou a seguir;
    Luz!

    ResponderExcluir
  3. Verdade! Visitei seu blog e gostei MUITO!

    ResponderExcluir